"A verdadeira poesia não diz nada, apenas destaca as possibilidades. Abre todas as portas. As pessoas podem atravessar aquela que se lhes ajusta." Jim Morrison

O lobo e a lua

Lobo, lobo que rasteja na noite fria e escura. Lobo que ouve o silêncio da noite e rasteja em busca da lua que o abandonou. Lobo, pobre lobo que sente sua alma arder enquanto busca sua solenemente sua lua. Lua que rege, como um maestro, rígido, mas, suave. Orientando e criando. Lua, que foge e o abandona.
Oh lua, porque me abandonaste? Porque deixaste esta pobre alma contorcer-se tanto em busca de ti? Por quê?
Oh lobo, rastejas pela noite, ouvindo o silencio. Rastejas em busca, mas, não sabe do quê.
Oh lua, rastejo por ti, uivo por ti, mas, minha alma chora quando não estas aqui.
Oh lobo, pobre lobo, que olhar o censura? Que mão o rege?
Oh lua, teu olhar me consome, tuas mãos me acalmam.
Oh lua, é por ti que eu uivo!
Oh lobo, pobre lobo, uiva por mim e ainda assim rastejas perseguindo-me
Oh lobo, pobre lobo, que, como um cão abestalhado, persegue o próprio rabo, pois, não sabe que sempre o levará consigo.

Pablo S Rosa

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s