"A verdadeira poesia não diz nada, apenas destaca as possibilidades. Abre todas as portas. As pessoas podem atravessar aquela que se lhes ajusta." Jim Morrison

Inércia

De um lado para o outro

Como o pendulo de um relógio

De um lado para o outro

Acompanhando os ponteiros

Como se não tivesse escolha

De um lado para o outro

No mesmo movimento

No mesmo sincronismo

Passando pelos mesmos caminhos

Badalando nas mesmas horas

De um lado para o outro

Sem mudar absolutamente nada

De um lado para o outro

De um lado para o outro

Do mesmo jeito sempre

De um lado para o outro

De um lado para o outro

Dependendo dos ponteiros sempre

De um lado para o outro

De um lado para o outro

Culpando os ponteiros

De um lado para o outro

Como se a culpa de eles estarem de um lado para o outro fosse deles

De um lado para o outro

Culpando sempre os ponteiros

Pois, alguém tem que ser culpado

De um lado para o outro

Pois, a culpa de sempre acontecer as mesmas coisas é deles

Pois, eles são culpados de sermos pêndulos

E De um lado para o outro

De um lado para o outro

Continuamos esperando mudanças

De um lado para o outro

De um lado para o outro

De um lado para o outro

Sempre de um lado para o outro

 

Pablo SRosa

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s